Viver é desenhar sem borracha

Antes de tudo, é bom que se esclareça que “Viver é Desenhar sem borracha” é uma frase do grande jornalista Millor Fernandes. Gostei muito quando ouvi essa frase, penso que ela é fantástica, por isso a usei. O tema “vida” sempre me encantou. É o único patrimônio pelo qual vale a pena lutar! 

Gosto muito de escrever e falar sobre essa curta e fascinante experiência de viver. Por mim, quero que ela se estenda ainda por muitos longos anos. Sinto-me um privilegiado por poder viver neste tempo, onde tantas coisas estão em mudanças. É bom poder colaborar na construção de novos e sólidos valores, respeitando cada indivíduo com suas múltiplas facetas. Vivemos um período que muitos identificam como uma verdadeira “mudança de época”. 

É muito importante aprender a conviver com o “nada pronto”. É preciso nos juntar cada vez mais para construir um “novo” viável para todos. Mas o que isso tem a ver com a frase-título acima? Tudo a ver. E isso mesmo, a vida, além de ser uma experiência belíssima, é curtíssima é irrepetível. O que já se viveu, está vivido, o que se fez, está feito, o que passou está no passado. Não temos nenhum acesso mais a isso. Não dá para “passar a borracha!” 

Se ficarmos amarrados em acontecimentos passados, perderemos a nossa energia com eles, e perderemos de avançar para as novas experiências. O importante e tornar parte nossa todos os acontecimentos do passado e seguir firme a vida. Não adianta viver no futuro, nem no passado. Só o presente importa. Vivendo ele bem, não teremos um passado para nos cobrar, nem precisamos ter medo do futuro que vem.

Ocorre que muita gente se angustia, ou pelas incertezas do futuro ou pela “culpa” no passado. Resultado: está permanentemente num estado de suspensão, ou seja, em lugar nenhum. Você já fez a experiência de viver mesmo o que você está fazendo? Comer – gostosamente – o que você está comento? Viajar a viagem que você está viajando? Festejar a festa que você está festejando? Ou, honestamente, você nunca esteve vivendo o que está fazendo, senão que, estavas sempre “num outro lugar” como se diz comumente, “fazendo” outras coisas? 

Nadine Star aos 80 anos, num sentido nostálgico, confessa que se tivesse sua vida para viver de novo, teria nada além dos momentos. “Na verdade eu tentaria ter só momentos, diz ela, um após o outro, em vez de viver tantos anos à frente de cada dia.” 

É disso que estamos falando. Dessa mania de estar sempre à frente daquilo que se está vivendo, sem experienciar, de fato, aquilo mesmo, naquela hora. 
Você está terminando de ler esse texto. Tem certeza que o leu de fato? 
Neste novo ano, espero que você possa viver intensamente cada minuto. Tente, é possível que você descubra o quanto é bom ser e estar com você mesma! E que Deus nos abençoe a todos!

Texto por Fernanda Borges.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *